HABILITAÇÕES ACADÉMICAS

2015 . Professor Doutor em Arte e Design, pela UP, com a Dissertação Moldes de uma Identidade – Análise Prática e Conceptual de um Processo Criativo, com orientação do Professor Doutor Hélder Gomes.

2008 . Obtenção do grau de mestre com a dissertação “Processos de Moldagem, Ensino e Criação

Artística”, no âmbito do Mestrado em Design Urbano, pelo IL3 – Institut de Formació Contínua de La Universitat de Barcelona, com orientação de Antoni Remesar.

2006 . Apresentação e aprovação da prova de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, com o tema “Processos de Moldagem na FBA.UP”.

2003 . Pós-Graduação em Design Urbano Inclusivo pelo Centro Português de Design e a Universidade de Barcelona.

1996 . Licenciatura em Artes Plásticas — Escultura na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL ACADÉMICA

2017/19 . Exerce funções de docente, na categoria de Professor Auxiliar, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, às seguintes Unidades Curriculares, do Curso de Licenciatura em Artes Plásticas: Artes Plástica; Modelação e Moldagem; Práticas da Modelação; Moldagem e Fundição [regência das três últimas]. 

PUBLICAÇÕES – TRABALHOS ACADÉMICOS

2015 . Rui Ferro (FBAUP), Moldes de uma Identidade, análise prática e conceptual de um processo Criativo.

2007 . Rui Ferro (FBAUP), Processos de Moldagem, Ensino e Produção Artística.

2005 . Rui Ferro (FBAUP), Processos de Moldagem na FBA.UP.

PRÉMIOS

2019 . “Prémio SOS Azulejo 2018 - Intervenção Artística em Azulejo” atribuído à Intervenção plástica da Estação do Lumiar do Metropolitano de Lisboa, da autoriade Marta Lima, Rui Ferro Moutinho e Susete Rebelo; [Ex aequo] com a “Viagem da Camélia”, Gaia, da autoria de Jun Shirasu.

2002 . 1º. lugar no concurso da Rotunda da Estrada Nacional 540, em Vila nova da Barquinha.

2000 . 3º. prémio do Concurso de Ideias para o Tratamento Plástico das Futuras Instalações do Metropolitano de Lisboa, co-autoria com as escultoras Marta Lima e Susete Rebelo.

1999 . 2º. lugar no concurso público de renovação do Convento de Monchique, integrando a equipa coordenada pelos arquitectos Paulo Coelho e Fernando Maia.

EXPOSIÇÕES

 

2019 .

  • Exposição individual: RESPOSTA ou ESPELHO. Organização: Galeria Código Design. Foram expostas as obras: [2019] Canhão Pater: Fundar paisagem e corpo; [2019] Canhão Pater: Kanhangulo ou Apontar ao Mar; [2002-2010-2017] O outro, ou construção e ordem em VII lições; [2016] Palanca Negra_ Obituário de um sonho antigo; [2016] Do meu telhado vê-se África [Breu e Cal]; [2017] Auto-Representação: Habitat Natural Taxidérmico [PORTO]; [2017] Auto-Representação: Habitat Natural Taxidérmico [RENDUFE]; Curadoria Nelson Sousa e Rui Ferro.

  • Exposição colectiva: PARES, da 3ª. BIENAL INTERNACIONAL DE ARTE DE GAIA, 2019. Participação com Marta Lima com a peça: Canhão Pater: Fundar paisagem e corpo. Quinta da Fiação de Lever, Portugal. Curadoria de Norberto Jorge e Rui Ferro.

  • Exposição colectiva: Artista Convidados da 3ª. BIENAL INTERNACIONAL DE ARTE DE GAIA, 2019. Participação com a peça: Aground in memory... and the distant song of the wave is “never tear us apart”. Casa-Museu Teixeira Lopes - Galerias Diogo de Macedo. Curadoria de Agostinho Santos.

  • Exposição colectiva: Paz e Refugiados, da 3ª. BIENAL INTERNACIONAL DE ARTE DE GAIA, 2019. Participação com a peça: Refújio ou leixão e noite escura. Quinta da Fiação de Lever, Portugal. Curadoria de Ilda Figueiredo e Mirene.

2018 .

  • Exposição colectiva: Pensamento e Risco. Exposição Internacional de Livros de Artista, com curadoria de Agostinho Santos. Auditório Municipal de Gondomar / Sala Júlio Resende.

  • Exposição colectiva: Entre a Fragilidade e a Força do Desenho. ONDA BIENAL com curadoria de Agostinho Santos e Luísa Quintela. Espaço Linha Norte, Estação Viana Shopping.

2017 .

  • Exposição individual: CATIVO. Organização: PT Fundação. Espaço de Arte Tenente Valadim, Porto. Foram expostas as obras: [1997-2010-2017] certezas antecedem a sabedoria, ou, voo a pique; [2002-2010-2017] O outro, ou construção e ordem em XI lições; [2015] Cativo [segundo peça de Michelangelo Buonarroti, 3º. cativo, dos Jardins de Boboli, intitulado Gigante Barbado]; [2016] Palanca Negra_ Obituário de um sonho antigo; [2016] Do meu telhado vê-se África [Breu e Cal]; [2017] Auto-Representação: Habitat Natural Taxidérmico [PORTO]; [2017] Auto-Representação: Habitat Natural Taxidérmico [RENDUFE]; Curadoria Manuela Oliveira e Rui Ferro.

OBRAS PÚBLICAS

2016 . SINO, Jardins exteriores da Estação da Trindade do Metro do Porto, segundo cartoon intitulado "Emigration", da artista Mahboobeh Pakdel, do Irão, vencedora do Grande Prémio, subordinado ao tema "O entendimento global", organizado pelo Museu Nacional da Imprensa, Porto. 18º. PortoCartoon-World Festival, Porto.

2000/04 . Intervenção plástica da Estação Lumiar, da linha amarela, do Metropolitano de Lisboa. Projecto em co-autoria com Marta Lima e Susete Rebelo, com a colaboração de Edgar Silva, Fernando Maia e Joana Caspurro.

2001 . “Daqui vos digo que a terra é ainda a minha nave”, Montemor-o-Novo. Peça em praça pública, resultado da participação no III Simpósio de Escultura em terra(cota), HABITAR 2001, com a colaboração do mestre pedreiro Sr. Moisés e das escultoras Marta Lima e Susete Rebelo.

COMISSARIADO DE EXPOSIÇÕES

2019 . PARES, Exposição da 3ª. BIENAL INTERNACIONAL DE ARTE DE GAIA, 2019. Quinta da Fiação de Lever, Portugal. Reunião de autores, artistas plásticos, numa mesma exposição, partindo das relações de proximidade pré-estabelecidas, pela instituição de pares. Pares previamente fundados na vida pessoal destes autores, perante diálogos e cumplicidades, nas artes e entre indivíduos, nas relações a dois e na implicação critica nos projectos de cada um, assistência, ou somente, acompanhamento das ânsias e desejos do dia-a-dia. A reunião desse conjunto de autores assumiu auto organizações base para lá dos “eu”, um pré-estabelecimento de relações, limites, interferências, etc., com um Outro, com quem se constrói, antes de mais, a vida e, na vida, as obras. O convite assim endereçado a dois suscitou, dentro dos pares, outras questões, colocando em marcha mecanismos diversos de relação, e, dando consequência a obras que se revestiram de uma consciência maior sobre o Outro, e, o espaço que este ocupa na criação e na coisa comum. As estratégias de resposta ficaram, assim, devidas aos pares e às opções que tomaram livremente perante o convite. O espaço de exposição que esta exposição Pares propõe, e, o seu contexto criativo e artístico, será fruto de uma consciente cedência transversal de visibilidade à implicação do Outro na criação, produção e mostra em Artes Plásticas. Foram expostas obras de: Ana Almeida Pinto e Tiago Fróis; Ana Fernandes, Emília Alírio e Carlos Barreira; Bárbara do Carmo e Carlos Arteiro; Isabel e Rodrigo Cabral; Joana Paradinha e Pedro; Kinga Ogoreck Jorge e Norberto Ogoreck Jorge; Marta Lima e Rui Ferro; Sara Carneiro e Luiz Santos [Moçambique]; Sarah Fitzsimons e José Carlos Teixeira [EUA]; Sofia Barreira e Nuno Prata;

2017 . CENTRIFUGA… Escultura, Exposição da 2ª. BIENAL INTERNACIONAL DE ARTE DE GAIA, 2017. Antigas Instalações da Coats & Clark, Gaia. Reunião de Autores e obras com pontos de partida em comum e em comunhão de uma proximidade e relação com uma escola e com um espaço geográfico de influência, isto é, um modo de estar específico e agregador, apesar de evolutivo e vasto. Convocar a diversidade de representações, pressupostos de criação e percursos. Possibilitar diálogos insuspeitos a partir do exercício de mostra conjunta. Propor o conjunto não como corpos separados no espaço, pelas marcas dos autores, mas como um complexo de referências que se entrecruzam, criando um corpo comum que, em última estância, poderá consubstanciar a essência de algo que nos ultrapassa e definitivamente nos liga, por muito que se nos afigure diverso. Escultura perspectivada em propostas artísticas e processos criativos que se consubstanciem a partir da plataforma de questionamento dos conceitos base e suas interligações: espaço, matéria, volume, escala, corpo e tempo. Belas Artes do Porto, como um mecanismo centrifugo, que remete para fora em movimentos circulares, a partir dos seus eixos centrais, os corpos que se sujeitam às suas dinâmicas. Foram expostas obras de: Bárbara do Carmo; Carlos Arteiro; Carlos Barreira; Carlos Marques; Daniel Gamelas; Fernando Nobre; Inês Osório; Marco Fidalgo; Norberto Jorge; Pascal Ferreira; Patrícia Oliveira; Rui Dias; Rui Ferro; Zulmiro De Carvalho;

Screenshot 2019-09-13 at 5.43.50 PM.png

CATIVO, 2015

Instalação.

Descrição da obra: Quatro núcleos de elementos em madeira, pintados com cal e breu, encimados por elemento físicos diversos, em contraposição com fotografias.

Formato de apresentação dos elementos: dispersos pelo chão.

Dimensões: unid. [20x40x30cm]+[30x60x40cm]+[40x60x50cm]+[25x160x35cm];

conj. [1000x1000cm].

Materiais: madeira de pinho, Cal, Breu, cimento, telha, chapa de ferro, osso, madeira de eucalipto, matéria orgânica.

Formato de apresentação das fotografias: em suspensão afastadas das paredes.

Dimensões: unid. [variáveis]; conj. [1000x1000cm].

Materiais: impressão fotográfica sobre policarbonato.

Screenshot 2019-09-13 at 5.40.28 PM.png

António Rui Ferro Moutinho, nasceu em Luanda, Angola, a 21 de Maio de 1971. Professor Doutor pela Universidade do Porto. Professor Auxiliar na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e membro colaborador do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade [I2ADS].

Vê a área científica da Escultura como um universo alargado de relações interdependentes entre espaço, matéria, técnica, escala, corpo e tempo. Enquanto plataforma de relação com as dimensões gerais da vida, numa relação como o seu legado ancestral, até às expressões básicas que ajudam a definir o Humano em estreita ligação às experimentações sediadas no presente, perante a sua idiossincrasia global, que reflete direções para futuros próximos. A área científica da Escultura como plataforma reflexiva e critica, como plataforma de olhar o mundo, traduzir e comunicar o papel do humano no seu espaço e tempo.

PROFESSOR DOUTOR

RUI FERRO